Untitled-11299.png

Mario Palumbo Junior é cristão e nasceu na cidade de São Paulo em 16 de agosto de 1974, filho do italiano Mario Palumbo, ex-padre, que veio para o Brasil exercer a missão do sacerdócio. Ao deixar o sacerdócio, casou-se com a Sra. Margarida de Toledo Palumbo.
Pai da jovem Giovanna, de 16 anos, e Antonello, de 9 anos, Mario Palumbo Junior é casado com a professora e coordenadora pedagógica Sabrina Moreira.


Conhecido por exercer um papel significativo na polícia civil de São Paulo, Delegado Palumbo como é respeitosamente chamado, passou sua infância na cidade de Araçatuba e posteriormente em Ribeirão Preto, onde morou com a família nos fundos da empresa em que dona Margarida era funcionária, enquanto Mario Palumbo (pai), lecionava filosofia, parapsicologia e realizava ações de caridade.


Na juventude, Mario Palumbo Junior trabalhou como office boy e assim, com o esforço do seu trabalho, comprou o primeiro skate, que foi roubado. Ali nasceu a vontade de ser policial, aliado ao fato de que um de seus melhores amigos de infância tinha o pai um importante Delegado de Polícia. Depois, trabalhou como entregador de móveis para escritório. No final da década de 90, o casal Mario Palumbo e dona Margarida prosperaram na administração da empresa da família e passaram a ter melhores condições financeiras, o que o possibilitou ingressar na faculdade de Direito da Unaerp, em Ribeirão Preto, e estagiar em um escritório de advocacia.


Durante o bacharelado, Mario Palumbo Junior já idealizava a carreira de Delegado de Polícia. Em suas viagens para a capital, avistava o pátio de viaturas do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC) e almejava trabalhar naquele prestigiado e importante Departamento de Polícia no GARRA. Em 1998, retornou a São Paulo para fazer curso preparatório para o cargo de Delegado da Polícia Civil.

Perfil

Delegado Palumbo
Untitled-13.png
Untitled-133.png
Untitled-135.png

ALGUNS FATOS
INTERESSANTES

Delegado Palumbo iniciou carreira na Delegacia Seccional de São Paulo, a 6ª Seccional, no 47º DP – Capão Redondo, extremo sul da capital, onde exerceu a função de delegado plantonista durante um ano. Em seguida, foi transferido para o 16 º DP – Vila Clementino, área nobre da cidade, região conhecida pelo grande número de furtos e roubo de carro.

Entre 2002 e 2010, Mario Palumbo Junior integrou o Grupo de Operações Especiais (GOE), supervisionando a unidade que foi criada para atuar em operações de risco, no combate ao tráfico de drogas e na contenção de rebeliões e fugas em presídios e delegacias de São Paulo. Durante esse período, Delegado Palumbo participou de episódios policiais notórios como os ataques do PCC no estado de São Paulo, em 2006, e o caso que envolveu a família Nardoni, em 2008.

Ao deixar o GOE, Delegado Palumbo fez parte do Setor de Investigações Especiais do Departamento de Narcóticos (SIE) e do Setor de Operações Especiais (SOE) por um ano. Em 2011, ingressou no Grupo Armado de Repressão a Roubos (GARRA), grupo operacional de elite da Divisão de Operações Especiais da Polícia Civil de São Paulo, e passou a atuar na linha de frente contra quadrilhas de roubos a bancos, traficantes de drogas e desmanches de automóveis e motocicletas, tendo sofrido ameaças de morte por parte de integrantes de organizações criminosas.

A partir de 2015, Delegado Palumbo assumiu o cargo de Delegado Supervisor do GARRA, e seus números como Delegado Operacional são expressivos: no período de um ano sob sua supervisão, o grupo especializado realizou 447 prisões em flagrante, 75 atos infracionais, recuperou 104 armas de fogo e 544 veículos, prendeu 632 criminosos e apreendeu 103 adolescentes envolvidos em atos descritos no Estatuto da Criança e Adolescente (ECA).

Delegado Palumbo
plenario-da-camara-municipal-de-sao-paul

PORQUE ESCOLHI A POLÍTICA

Delegado Palumbo

É o amigo e jornalista José Luiz Datena quem convida Delegado Palumbo para a política. Cansado de ‘’enxugar gelo’’, Delegado Palumbo aceitou o desafio de lutar em outro patamar – onde se criam e se aprovam as leis. A decisão surge após anos de atuação na linha de frente da luta contra o crime organizado na cidade de São Paulo.

O combate à corrupção, a defesa das vítimas e a mudança das leis são o que movem Delegado Palumbo na política: ’’Se ninguém for para a guerra na política, quem vai é o bandido, o corrupto, o desmancheiro, vai o traficante…’’.

Porém, para que a mudança necessária aconteça, o caminho é longo e precisa do primeiro passo; ‘’A gente tem que começar a limpar a corrupção do chão, até chegar ao teto. Escolhi começar na base, por isso aceitei ser candidato a vereador por São Paulo. Eu vou bater na corrupção. Já fui ameaçado por bandido, vou ter medo de homem de terno e gravata?’’.

Foi eleito vereador com 118.395 votos, terceiro mais votado do país, com uma das campanhas mais baratas da história.

Como vereador, Delegado Palumbo terá o compromisso de fiscalizar o trabalho do executivo municipal e defender trabalhadores e cidadãos de bem, promovendo leis que auxiliem o cotidiano dos moradores da cidade de São Paulo. ‘‘Cansei de enxugar gelo, agora a luta será em outro patamar se for a vontade de DEUS.’’

EDUCAÇÃO

Delegado Palumbo

1. Defesa da ampliação do número de vagas nos Centros de Educação Infantil e creches conveniadas da rede municipal de ensino, com o objetivo de reduzir o déficit de matrículas de crianças de 0 a 03 anos de idade na cidade de São Paulo.

2. Luta pela valorização dos professores e da rede municipal de educação:

  • Investimento na qualificação docente;

  • Valorização salarial dos professores;

  • Ampla defesa da qualidade do ensino público municipal.

SAÚDE

1. Defesa da valorização salarial dos profissionais da rede municipal de saúde de São Paulo.

2. Luta pela ampliação da rede de postos de saúde do município de São Paulo.

3. Defesa do fortalecimento da gestão da rede municipal de saúde, com o objetivo de garantir o acesso necessário da população à saúde digna e de qualidade.

Delegado Palumbo

DELEGADO PALUMBO NA MÍDIA

Delegado Palumbo no Datena

Delegado Palumbo deu a sua primeira entrevista pública ao jornal impresso Notícias Populares, de São Paulo, em 2001. Seu objetivo era defender a instituição policial dos constantes ataques da crítica e tornar públicos os grandes feitos da polícia no estado.

Após a execução de um amigo investigador de polícia por traficantes, ainda no GOE, Delegado Palumbo inicia incursões contra o tráfico de drogas na região das Águas Espraiadas, atual Roberto Marinho, acompanhado de uma equipe de produtores e cinegrafistas. A partir de então, nasce um formato de sucesso na televisão brasileira e o bordão ‘’quem tem filho grande é elefante’’ cai nas graças dos fãs de programas policiais.

Durante os quase 20 anos dedicados à Polícia Civil de São Paulo, Delegado Palumbo foi presença constante nos principais veículos de imprensa do país, além de ter sido a primeira autoridade policial a criticar a audiência de custódia ao vivo em meios de comunicação, bem como a fragilidade da legislação brasileira que só protege criminosos e esquece das vítimas.

Da amizade em comum com Antonio Buonerba, criador do famoso polpettone do Jardim de Napoli, surge a fraternal e duradoura amizade com o jornalista e apresentador José Luiz Datena, como evidenciam suas entrevistas e depoimentos ao programa Brasil Urgente, apresentado pelo jornalista.

Delegado Palumbo no operação de risco

Após a execução de um amigo investigador de polícia por traficantes, ainda no GOE, Delegado Palumbo inicia incursões contra o tráfico de drogas na região das Águas Espraiadas, atual Roberto Marinho, acompanhado de uma equipe de produtores e cinegrafistas do Programa Operação de Risco da Rede Tv!, a partir de então, nasce um formato de reality policial sucesso na televisão brasileira e o bordão ‘’quem tem filho grande é elefante’’ cai nas graças dos fãs de programas policiais.