Delegado pede investigação contra vereador do PT de São Paulo

Político petista é investigado pela Polícia Civil por suposta ligação com a facção criminosa PCC



O vereador Senival Moura, que está na mira da Polícia Civil | Afonso Braga/CMSP


O vereador paulistano Senival Moura (PT) deve ser alvo de investigação por parte da Corregedoria da Câmara Municipal de São Paulo. Ao menos esse é o entendimento do delegado Gustavo Mesquita, da Polícia Civil, que protocolou pedido de apuração contra o petista junto ao órgão legislativo na tarde desta 3ª feira (14.jun). + Leia as últimas notícias de Polícia no portal SBT News A solicitação feita por Mesquista ocorre dias após Moura se tornar alvo da Polícia Civil. Conforme revelado pelo SBT News na última 5ª feira (9.jun), o político do Partido dos Trabalhadores é investigado - no âmbito policial - por suposta ligação com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). De acordo com o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), o vereador passou a ser suspeito de envolvimento no assassinato de Adauto Soares Jorge, ex-presidente da empresa de transportes Transunião, que seria usada pelo PCC para o crime de lavagem de dinheiro. Executado em março de 2020, o empresário era, na visão dos investigadores responsáveis pelo caso, "testa de ferro" do político. Diante do avanço da investigação da Polícia Civil, com direito a operação deflagrada na última semana e com ações em endereços ligados ao petista, o delegado cobra atitude por parte da Corregedoria da Câmara dos Vereadores da capital paulista. Na visão de Mesquita, a situação de Moura é "inadimissível". "Como cidadão, tenho o direito de exigir que o vereador seja investigado" "Esses fatos gravíssimos têm que ser apurados. É inadmissível que um vereador supostamente envolvido em fatos como esse possa continuar exercendo suas funções na Câmara Municipal", reclama o delegado da Polícia Civil de São Paulo. "Como cidadão, tenho o direito de exigir que o vereador seja investigado, conforme prevê o Regimento Interno da Câmara", explica Mesquita, que avisa que protocolou o pedido com base no artigo 12 da Resolução 07 de 29 de maio de 2003 da Casa legislativa, que prevê investigação contra quem pratica irregularidades no exercício do mandato. Em seu quinto mandato consecutivo como vereador de São Paulo, disputando eleições pelo PT desde 2004, Senival Moura nega as acusações. Em nota divulgada na última semana, o presidente do diretório paulistano do Partido dos Trabalhadores, Laércio Ribeiro, destacou que "confia na versão apresentada pelo parlamentar".

CPI da Máfia dos Transportes Enquanto o delegado da Polícia Civil pede investigação contra Moura por parte da Corregedoria da Câmara Municipal de São Paulo, o vereador Delegado Palumbo (MDB) protocolou pedido para que seja instalada uma Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar a suposta ligação do político do PT com crimes praticados pelo PCC por meio de empresas e transporte público. Ou seja: ele quer criar a CPI da Máfia dos Transportes. "Há anos se fala da ligação entre o poder público e o crime organizado nesse setor e ninguém faz nada."